Atirador diz que não está arrependido por matar adolescente em Goiás

Misael matou Raphaella Noviski com mais de dez tiros dentro de uma escola em Goiás.

Em depoimento na delegacia de Alexânia, em Goiás, o atirador Misael Pereira de Olair disse que comprou a arma usada no crime há três meses e admitiu que não sente arrependimento algum por ter assassinado Raphaela Noviski, de 16 anos, com mais de dez tiros.

Além disto, ao ser questionado pela delegada Rafaela Aziz, que está responsável pelo caso, por qual finalidade ele havia adquirido a arma que usou para cometer o crime, Misael respondeu friamente que comprou a arma para matar Raphaella. A delegada insistiu perguntando por qual motivo ele fez aquilo e Misael respondeu que fez porque odiava Raphaella. A responsável pelo caso perguntou também qual o motivo do ódio, mas Misael disse que isso ele não sabia explicar.

O assassino também disse que demorou, pois estava preparando tudo para cometer o crime. Quando tudo ficou pronto, ele disse que a hora que quisesse ia lá e matava ela. No dia, ele falou: “É hoje!”. Então foi lá e a matou.

Misael também disse que a sala estava cheia de gente, mas ele estava procurando ela e quando a viu, mirou na cabeça de Raphaella e atirou. Disse também que os disparos foram feitos a aproximadamente meio metro de distância.

A delegada, atordoada com a frieza de Misael, questionou se por algum momento ele imaginou que isso poderia ter sido feito com a irmã dele e Misael disse que sim. Ela então perguntou se nem assim ele se sentia arrependido, mas Misael continuou a afirmar que não estava.

Misael disse que conhece Raphaella há cerca de 6 anos, que moravam perto, mas não tinha contato com a adolescente em redes sociais e negou que tenha sido rejeitado por ela ou sofrido algum tipo de bullying.

O assassino continuou dizendo que tinha a matado porque a odiava, mas não sabia explicar o motivo do ódio.

Após muitos questionamentos, Misael contou que estudou na mesma escola que Raphaella no ano passado e que certo dia foi até a casa da vítima para entregar um presente a ela, mas a jovem disse que estava dando banho na avó e pediu para que conversassem na escola, e que no fim, não teve coragem de entregar o presente.

Ao ser questionado se ele gostava de Raphaella, Misael sorriu e disse: “É”. Ele também falou que tentou ter algo com a vítima, mas voltou a negar logo em seguida. Além disso, ele disse que Raphaella deve ter sentido medo de que ele roubasse a casa dela no dia em que foi entregar o presente.

O caso
Misael Pereira de Olair, de 19 anos, assassinou com mais de dez tiros a estudante Raphaella Noviski, de 16 anos, na manhã desta segunda-feira, por volta das 8h15 da manhã, no Colégio Estadual 13 de Maio, localizado em Goiás. Misael usou máscara para cometer o crime e planejava se suicidar comendo veneno de rato após matar Raphaella.

Porém, a polícia o impediu de cometer suicídio.

Ele pulou o muro da escola portando um revólver 32 e disparou mais de dez tiros no rosto da aluna, que não resistiu e morreu no local.

O assassino será indiciado por Feminicídio. Os amigos e familiares da vítima ainda prestarão depoimento para a polícia. O corpo da jovem foi para o IML da cidade e Misael levado para o presídio de Alexânia.

FONTE: blastingnews.com

Compartilhe