Mãe deixa padrasto estuprar e espancar bebê até a morte: ‘Fígado dilacerado’

Mulher e padrasto abusavam de bebê com amassador de legumes em Goiás; saiba mais.

Uma mãe e um padrasto de um menino de apenas dois anos acabaram sendo presos sob uma acusação bastante grave.Eles teriam molestado sexualmente e batido no menino, identificado como Bruno, até a morte. Ambos acabaram sendo presos sob acusações bastante sérias na cidade de Goiânia, no estado de Goiás. De acordo com informações do jornal Extra, em matéria publicada nesta segunda-feira (20), a Polícia Civil deu detalhes sobre como tudo aconteceu. A mulher que realizou a ação foi identificada como Bruna Lucinda Batista Ferreira, de 28 anos de idade. Já o padrasto do garoto, que era conhecido pela sua relação com a mulher, foi identificado como Gedeon Alves dos Santos, de apenas 24 anos.

Mãe abusava sexualmente do filho de dois anos e usava até amassador de legumes
Os pais do garoto, antes de serem presos, chegaram a dizer na polícia que o garoto morreu em um acidente de trânsito.

Eles informaram que chegaram a levar o menino para um hospital após o tal acidente, mas que ele acabou não resistindo. O delegado do caso, Dannilo Proto, comentou sobre o assunto e surpreendeu ao dar detalhes sobre o caso. A morte do garoto aconteceu no dia 3 desse mês, mas desde então a situação tem sido investigada pelas autoridades. Não demorou muito para que a Policia descobrisse toda a verdade. O menino Bruno já era alvo de diversos tipos de maus tratos há bastante tempo. A situação acabou culminando com sua morte.

Mãe e padrasto estupravam bebê de 2 anos e o espancaram até a morte em Goiânia, Goiás
O delegado Dannilo Proto contou que o Conselho Tutelar já tinha recebido várias queixas em torno da criança. As denúncias incluíam maus-tratos e agressões. Mesmo assim, nada foi feito para conseguir salvar a vida da criança, que não resistiu às torturas que recebia constantemente em sua casa.

Conselho Tutelar já tinha denúncias contra mãe e padrasto de criança morta
Após ter ciência das denúncias sobre os maus-tratos, o caso passou a ser apurado pela Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH), que solicitou laudos sobre a morte de Bruno. Foi então que um laudo acabou provando que as agressões contra a criança eram bastante antigas. O delegado explicou, por exemplo, que Bruno tinha hematomas em todo o corpo e que o figado estava dilacerado. A mãe era conivente aos estupros e responderá pelo mesmo crime. A criança era molestada com um amassador de legumes, em detalhes que beiram o surreal.

FONTE: blastingnews.com

Compartilhe